terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Considerações finais

Ah, o último dia do ano. Tanta alegria, que nos encoraja a fazer uma lista de promessas para o ano que está por vir. Também tem os agradecimentos pelas conquistas e - por que não citar - as perdas. Só que tantas promessas me fazem pensar: será que todos sabem o que estão prometendo e se tem coragem o suficiente para alcançá-los? Digo coragem porque mudanças exigem que deixemos algumas coisas para trás: ideias, ações, manias ou costumes. Precisamos trabalhar muito para transformar nossas vidas, e por ser tão difícil tomar essas decisões, as pessoas deixam tudo no fundo da gaveta. O comodismo nos mata aos poucos, nos impede de crescer. O que eu mais desejo a você, meu amigo, é um ano de muita coragem, determinação. Saúde, dinheiro, realizações e mais o que quer que seja vem quando você tem coragem de assumir sua vida de forma madura, deixando de colocá-la na gaveta, juntamente com as promessas. Um ano muito iluminado a você.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Pensamentos de domingo

Naquela tarde ensolarada de domingo, caminhava descalça pela pra ia,que como sempre estava lotada de banhistas. Cada um com sua família, amigos ou desconhecidos que acabaram virando companheiros de maresia. Acabava de vir de uma festa bem divertida, mas não sei o motivo de ter vindo automaticamente para aquela praia debaixo desse sol escaldante. Tirei meus sapatos de deixei a areia sujar meus pés, e logo senti a
água geladinha tocá-los. Às vezes, me pego pensando em diversas situações que eu mesma provavelmente não iria fazer ou faria sem medo e me pergunto o motivo desse meu receio. O sol estava muito quente... por um segundo queria estar em um lugar frio, para atacar todo o chocolate da dispensa. Mas a onda veio novamente e novamente me senti muito bem. Pensando bem... huuum, uma vontade incontrolável de cair naquele azul anil, quebrar as ondas do mar... queria me aproximar de algo muito além de qualquer coisa nesse mundo, mas infelizmente era apenas um sonho. Abri os olhos e avistei o horizonte, tão perto e ao mesmo tempo tão distante, tão belo e ao mesmo tempo tão misterioso. E novamente me perco em filosofias, metáforas e apreensão. Queria tanto ser menos confusa... Ser mais viva, apaixonada talvez. Enquanto isso, vou caminhar pela praia e não pensar mais em nada.