sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Não mais...

Passos perdidos na estrada,
Pedras chutadas pelo caminho,
Aqui estou novamente
Reunindo os pleonasmos necessários para te dizer
Que eu estou ditando meu destino,
Que não sou mais tua boneca de porcelana,
E todas as oportunidades que te dei acabaram.
Cansei do controle,
Das conjecturas sem sentimento, das promessas quebradas.
Dei meu grito de liberdade
Ou seria socorro???
Também já se esgotou minha paciência,
Pois já perdi as contas de todos as vezes
Que fui acusada de ser uma pessoa impulsiva,
Sem considerações e rodeios.
Ame-me sem modificar meu modo de ser
Seja feliz com o que eu sou.
Sou eu, pura e simplesmente,
Livre para voltar a sonhar.



domingo, 20 de outubro de 2013

Idas e vindas de meu delírio

Ainda tenho tempo de sobra. Para refletir, amar e odiar, deixar de ser um marionete e me transformar em um pássaro. Cansei de tudo no senso comum, de fingir "ser" através do "ter". Vou sair pelas ruas à deriva, como um navio que se afasta do cais. Deixarei de ser piegas, acreditar demais no que devemos ter mais cuidado. Acreditarei na efemeridade dos momentos, da vida. Não vou deixar nós desatados, feridas abertas. Passível de erros, vou tropeçar e dizer coisas indevidas, preciso aprender a cair para levantar, para ressurgir das cinzas como uma fênix.
Vou me jogar no infinito... e deixar a maré me levar.