sexta-feira, 22 de junho de 2012

Pensamentos insanos

Não queria pensar, nem sentir tudo aquilo. Meu corpo não obedecia aos comandos que eu precisava naquele momento. O cansaço e a apatia eram as únicas coisas que ecoavam na mente vazia. Andei, até meus pés não aguentarem as dores incessantes, chorei, gritei.
Sim, eram os gritos da liberdade confusos que já estavam precisando ecoar ao vento, eram os erros mostrando-se explicitamente, era o passado que não queria me abandonar...
A maturidade viera de uma vez, a opiniões que pareciam interessantes antes agora eram uma verdadeira porcaria, sem sentido e extremamente infundadas.
Mudei, sim. Graças a Deus consegui. Não quero ser um ponto em um texto qualquer. Quero ser o início, o meio e o fim.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Coisas que só sentindo para entender

Apesar de continuar sendo uma incógnita, também me preocupo com o mundo a minha volta. Agora, grandes crimes estão em voga na imprensa e as pessoas julgam tudo distorcido, influenciados pela mídia, certo?
Assisti a dois documentários muito interessantes e a partir deles percebi que fica exposta a fragilidade do sistema prisional brasileiro: o abuso de poder das autoridades, a falta de organização na execução da pena dos detentos, a falta de defesa, maus tratos entre outros problemas que permanecem iguais mesmo com os avanços sociais e tecnológicos.
A sociedade, por sua vez, quer que o preso seja punido, e não se lembra de que um dia esta pessoa irá voltar para o convívio social, e se estes transgressores não são reeducados, voltam piores. Ou seja, a sociedade pouco se importa com o que acontece dentro de um presídio, o que importa mesmo é que ele esteja preso.
A lei não é cumprida como deveria, porque a corrupção e a leniência do sistema faz com que injustiças sejam cometidas e os seres humanos presos sejam reduzidos a animais, denegrindo a Constituição e seus direitos mais preciosos: a dignidade e a integridade da pessoa humana.