terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Vergonha ou consequência inevitável?

Diante das expectativas, as pessoas montam seus projetos de acordo com o que planejam. Trabalham duro, dia após dia, contando os dias para que seu trabalho seja recompensado de forma espetacular. Chegado o dia e a hora, o coração batendo forte, as pernas bambas, rezando para que tudo dê certo. O desfile é lindo, as cores brilham de forma intensa, a música é uma poesia apaixonada.
Todas essas belas lembranças são apagadas diante daquelas chamas... a falta de tolerância, o "não saber perder", e a crueldade tomam conta do lugar... Gritos, confusão, cadeiras sendo atiradas, notas sendo rasgadas... E, momentos depois, aquela linda alegoria sendo consumida pelo fogo, o desespero para detê-lo, as esperanças de uma democracia perdidas...
Aqueles sons... horríveis. Os monstros libertando os maus espíritos e despejando uma fúria injustificada. O retrato do abandono de qualquer sentimento bom. A vergonha alheia, pela covardia, maldade ou pior, crueldade.
A derrota transforma as pessoas em demônios.
No fim, o triste amante do carnaval deixa o local, tropeçando em jornalistas, peritos e na própria decepção.
O Carnaval já perdera a alegria.