terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Fechado para balanço: o fim da escola


Apesar de todas as brigas, agradeço.
Apesar de todas as notas vermelhas, dou risada.
Apesar de todos os contratempos, eu aprendi.
E apesar da ausência na hora da despedida, o adeus deixou de ser dito.

Nenhuma hora foi perdida
Nenhum momento desperdiçado, jamais esquecido...
Lágrimas? Ora, vamos rir,estamos crescendo!
É tão deliciosamente efêmero que tudo se torna doce...

Mais uma etapa vencida, mais um degrau alcançado!
Apesar da distância, a amizade,verdadeira e única
Nunca, nunca morre
Então, até logo!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Conclusão durante uma TPM

Hoje, aqui, chego a conclusão de que pouquíssimos são capazes de manter o equilíbrio em um lugar onde qualquer pé de arruda seca de tanta inveja.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

A incerteza do amanhã

Ela ia sentada, com a cabeça encostada na janela do ônibus. A paisagem ao seu redor se modificava rapidamente, assim como sua vida nos últimos meses. Passara por decepções, alegrias, despedidas, tristezas e conquistas. Vira amigos aparecerem, e também irem embora.
Ao seu lado, pessoas esqueciam das regras dos bons costumes e gritavam feito loucos perdidos de seu verdadeiro comboio: do hospício. Até esses loucos estavam longe de seu campo de visão e audição naquele momento. Aquela manhã fora um inferno. Sua privacidade fora invadida assim como seu modo de ver as coisas.
Todos pareciam ser tão idiotas, tão distantes do que realmente eram. As horas passavam devagar, as cobranças vieram outra vez. Repetidamente.
Ouvir o som dos pássaros do lado de fora já havia se transformado em utopia. A concentração então, já havia ido embora fazia tempo.
"Falta pouco para minha tortura acabar, aguente firme, a tempestade vai acabar. Vai deixar saudades. Vai deixar marcas."
Ainda faltava adicionar aquele vazio imenso, sem saber que luz irá iluminar o seu caminho. Para uns, a incerteza do futuro é a grande beleza da vida. Para ela, era um vácuo enorme em sua vida metódica e perfeccionista.
Isolando-se deste mundo, talvez, fosse protegê-la dos milhares de golpes que viriam a seguir, se já não a estava protegendo.
Só o futuro incerto dirá.
Por enquanto, era olhar para a janela suja daquele ônibus, e transformar sua fantasia em realidade.

domingo, 23 de outubro de 2011

A falta de ética

No mundo atual em que vivemos, o uso da tecnologia já se tornou algo corriqueiro. A cada dia, milhões de pessoas acessam suas redes sociais, expondo para todos o que pensam e o que desejam.Só que as pessoas se esquecem que, assim como no mundo real, a ética também se aplica na web.
É necessário saber usar a internet para seu próprio benefício, sem abusar de sua liberdade de expressão. O simples ato de agredir uma pessoa em alguma rede social  implica em um problema crescente na atualidade, que já se tornou um crime.A principal arma de defesa da vítima está onde menos se imagina: não existe anonimato na internet. Rastreadores encontram o agressor e a partir disso abre-se um processo contra este agressor, que é penalizado de acordo com as leis vigentes.
No meio de tanta modernidade,ainda existiria e ética?
Conceito tão antigo e ao mesmo tempo tão moderno, a ética também deve ser aplicada no mundo virtual. Não é difícil muito menos impossível ser uma pessoa com princípios neste mundo que corre constantemente.
Para usar a internet de forma saudável, é necessário saber o que pode ou não publicar na rede, para não expor excessivamente a vida pessoal de si mesmo e de outras pessoas, muito menos agredir pessoas por preconceitos formados fora da internet ou atingir popularidade ou reconhecimento.
Por fim, o mundo necessita, urgentemente, aprender que não é uma máquina que responderá pela falta de responsabilidade de seu usuário. Quem sempre responderá será a pessoa de carne e osso sentada em frente à essa máquina.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Delírio

Homens insanos invadem o canto onde deveria ter silêncio.
Agora, quero paz. 
Quero respirar um ar novo, puro, livre.
Não quero contar meus passos, isso não é liberdade.
Andarei até o fim da estrada.
Voltarei se necessário.
Mas não irei desistir...
Prefiro morrer tentando do que sofrer a culpa de nunca ter arriscado.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Quimera

Pisando em nuvens cor-de rosa
Deitando no profundo e infinito azul do céu
Rolando delicadamente pela grama úmida de orvalho
Sentindo o cheiro das flores do campo colorido
Saboreando o doce fruto da felicidade
Sentindo os pés roçarem de leve em um mimoso riacho
Ai! Como é bom viver!
Fechando os olhos e sentindo a brisa arrepiando minha pele
A sinapse de meus neurônios parecem acompanhar o leve ritmo do dia,
Quente e fresco
Acolhedor e livre...
Estou sozinha... nada irá me atingir aqui...
Segura de tudo e do mundo, e do sistema decadente...
Problemas? Não sei o que é isso...
Ouço apenas o ruído natural da vida, limpo e alegre
Tudo é tão sublime que meu corpo parece flutuar...
Ai!Como é bom viver...
Olho para o céu e vejo os anjos... tão inocentes e corados
Tocando harpas para algum caso de amor pela redondeza...
O tempo não existe
Só aprecio o espetáculo que me foi concebido...
Antes de voltar ao barulhento e confuso mundo que nasci.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O verdadeiro significado do medo

O medo. Como descrevê-lo ou denominar tal sentimento, quando este te domina de forma tão completa que você entra em um completo estado de desespero. Como conviver com o medo quando as pessoas o tratam como mera frescura, algo incompreensível e você é repreendido como se fosse culpado? Tamanha opressão me faz sentir uma vergonha imensa, vergonha de tudo e de todos.
Malditos, não enxergam e não querem enxergar a verdadeira face.
Cansada, ainda procuro ajuda, refúgio ou algum motivo para viver assim... Quero simplesmente vencer todos os obstáculos, mas não consigo fazê-lo sozinha. Preciso de ajuda, ou então vou sucumbir na escuridão.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Loucos

Estão todos loucos
Dentro de suas caixas pérfidas
Todos, todos estão loucos
Buscam por coisas vãs
Sucumbem às ambições mais radicais
Se entregam à mentira
Mergulham na devassidão
Fingem com naturalidade assustadora
Empertigados com status falsos
Corrompidos pelo glamour errôneo,
Cheios de pústulas venenosas.


Fico encabulada com tamanha loucura
Morro de pena destes pobres, malditos loucos
Peço, para quem ouvir,
Que os salve...
Embora já saiba que seus futuros não passem de um borrão em um papel ordinário.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Desgaste

Tudo me parece tão... vazio.
Pessoas vazias
Falta de conteúdo
Falta de sentimento
Onde estarão as demonstrações de amizade?
É apenas uma questão de interesse
Procura incansável pelo lucro, talvez
Ou a busca de um pouco de vergonha na cara
Para não parecer tão pífio.


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Olhares

Estava apressada naquela manhã. Ela praticamente corria com seus livros, e não viu o homem em seu caminho, tendo como consequência um grande tombo. Ele, muito gentil, ajudou-a a recolher seus livros e perguntou se ela estava bem. Naquele momento, ela reparou no semblante que estava a sua frente. Olhos claros, cabelos castanhos, feições feitas por anjos. Completamente seduzida, respondeu qualquer bobagem, pediu desculpas e continuou seu caminho.
Chegando na faculdade, nova surpresa. O homem que derrubara era o novo professor de sua matéria preferida... Ambos pareciam estar igualmente desajeitados com a situação. O tempo foi passando e se tornaram amigos, mas sempre com a polidez e o respeito que deveria existir naquele ambiente.
Mas, essa espera doentia e apaixonada acabou quando o fim do curso se aproximava. Ela já não aguentava manter apenas para si todo este sentimento que a movera tão apaixonadamente para as aulas, e ele, não suportava a ideia de perdê-la sem ao menos dizer o que sentia.
Então, em uma noite em que a chuva era tão forte que a visibilidade era quase nula, ele a viu. Ela protegia os livros da chuva que não parava de cair...
Gentil como sempre, ele ofereceu uma carona para ela, que, com medo de ficar sozinha ali daquele jeito, entrou. O trânsito estava deliciosamente congestionado. A conversa era trivial, mas um outro assunto pairava no ar quente daquele carro. À medida que a conversa mudava de rumo, o trânsito lá fora parecia ter sumido... os olhares se encontraram, intensos, e o primeiro beijo aconteceu, como se fosse o remédio de uma longa febre, que acabava ali. Aquele momento parecia mágico, inacabável... o amor contido, a paixão avassaladora estavam à flor da pele. O trânsito melhorava e assim, chegaram à casa dela, onde os beijos, abraços se multiplicaram, agora acompanhados pelo vinho, que os deixava leves e entregues aos prazeres daquela noite, que acabava de começar...


domingo, 7 de agosto de 2011

A função das janelas

Olhei pela janela naquele dia escuro, pensando em várias desculpas para não sair de casa. Me arrumei lentamente... mas o relógio não estava querendo colaborar: 6:30. Peguei minhas coisas e saí, rezando para não perder o ônibus.
O dia estava com uma neblina espessa, mais claro mas, mesmo assim, não era animador.
Durante minha caminhada matutina até o bendito ponto, observei que as pessoas não aceitam adaptações. Ouvia apenas reclamações sobre a falta de visibilidade, sobre o frio ou até mesmo sobre o motor do carro que demorava a esquentar.
Eu, pelo contrário, estava achando o máximo. Aquele clima de mistério, como em filmes policiais... A neblina, a rua vazia e um assassinato misterioso. A mente viajou e quase que perco o ônibus.
Pensando em tudo que vi naquele dia, chego a conclusão de que as pessoas estão ficando loucas. Estão tão interessadas em seguir sua rotina que nunca pensam pelo lado bom das coisas... A função das janelas, para estas pessoas, é a de trazer a brisa quente do verão ou proteger a casa dos ventos que anunciam tempestades. Elas nunca olham para a linda flor que cresce no jardim, no sol alegre da manhã ou as gotas de chuva que escorrem pelo vidro.
O caminho que o ônibus seguia era tão bonito em alguns pontos que cheguei a pensar que aquela não era a cidade que sempre vivi. As alterações no terreno faziam com que eu enxergasse lugares que eu tinha acabado de passar e que me pareciam escondidos no meio das dezenas de casas e prédios...
Ah, se as pessoas vissem como é simples viver... O tempo passa tão rápido, e quando elas querem olhar pela janela, já é tarde demais...
Abra os olhos! Veja o lado belo das coisas!
Faça isso ou será tarde demais...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Resposta a um leitor

PARTE 1
Quem é essa garota, que anda tão séria na rua?
Para onde ela vai?
Qual grupo ela pertence?:
Será a patricinha,
A sentimental, que tudo registra,
A nerd, que tudo sabe
A garota do fundo da sala,
Ou aquela que adora uma festa a qualquer hora?

PARTE 2
Respondendo às tuas perguntas, caro amigo
Sou a garota efêmera
Cheia de fases como a lua
Que sabe quais caminhos deve seguir
Que chuta pedras, tropeça e levanta.
Sou o sol, o vento, a chuva....
Sou a caçadora de mistérios...
O defeito mais grave, creio eu
É amar tanto as pessoas
E não ser amada por nenhuma.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Amizade

A amizade é algo sublime. Não sabemos quando esta nasce, mas seu início fica eternizado quando pensamos: "Que pessoa interessante ele (a) é!", e aí a sementinha se transforma em flor, sem que ninguém perceba, mas sinta.
É necessário ser atento as peculiaridades...
Amar os pequenos momentos e ver em cada gesto uma forma de expressar carinho, quando as palavras já não o fazem. 
Saber que alguém estará ali para te escutar ou simplesmente rir quando tudo está um caos total.
É simplesmente a essência de algo muito maior e inimaginável, que o ser humano nunca irá compreender.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Coisas da vida que ninguém aprende

Um dia, assistindo TV, passou uma propaganda que perguntava: O que te move? Pensando nisso, listei mentalmente algumas coisas que movem minha pacata vida...
O sentimento de aventura, a sede por justiça, a vontade de crescer espiritualmente, a certeza de que a vida é uma só e que deve ser rica em coisas boas, e a compreensão de que o tempo passa rápido demais, e até o erro é válido, quando aprendemos com ele.
Não, meus caros, essa listinha não apareceu assim tão rápido na minha cabeça... Cada item dela surgiu como lições aprendidas com experiências que, se não houvessem acontecido, eu seria uma pessoa menos feliz.
E cada momento que eu saio deste mundo para entrar no meu, tenho a absoluta certeza de que ninguém pode ser feliz vivendo em um castelo feito de cristal.



segunda-feira, 11 de julho de 2011

Eterna dúvida

Eu estou sentindo que meus dias não são mais iguais...
Várias coisas não tem o mesmo sentido de antes...
A vida abriu novas portas
E o caminho ainda permanece obscuro.

Ainda vejo a luz do sol bater na janela
E ainda tenho o prazer do doce despertar
Sinto o aroma das flores
E os passarinhos a cantar

O que será que mudou?

Um novo caminho se abriu
Pessoas tornarão-se lembranças
Os papéis e as fotos irão ficar amarelados
A imagem sumir...
Mas a memória, a melhor fotógrafa
Vai tornar VOCÊ eterno para mim.  

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Fim?

O fim.
É estranho dizer que uma história acabou. Por mais difícil que pareça, o fim é necessário. Será que ele existe?
Hoje, olhando uns amigos tirando fotografias, tive uma visão clara de que os ponteiros do relógio não perdoam. O tempo passou muito rápido, e passou um filme em minha cabeça, com todos os momentos felizes e tristes, momentos esses que ficarão eternos na memória. Quis fotografar aquele momento na cabeça. Jamais esquecerei as risadas, os gritos e o "mais um, mais um!".
A nostalgia que tomou conta de mim foi tão grande que senti que era a hora de partir. "À francesa", como dizem os mais intelectuais. Saí de fininho, para não chorar.
Para guardar toda aquela felicidade ingênua, pura e mais sincera.
E, como na música de Ana Carolina (minha "xará")
"[...]O tempo passa e engraxa a gastura do sapato
Na pressa a gente não nota que a Lua muda de formato
Pessoas passam por mim pra pegar o metrô
Confundo a vida ser um longa-metragem
O diretor segue seu destino de cortar as cenas [...]

[...]O tempo faz tudo valer a pena
E nem o erro é desperdício
Tudo cresce e o início
Deixa de ser início
E vai chegando ao meio
Aí começo a pensar que nada tem fim..."
Fonte: Vagalume

O avesso dos ponteiros, Ana Carolina

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Revolta alheia

Se você simplesmente acha que eu digo o que você faz ou deixa de fazer, prefiro comprar um cachorro, que será muito mais agradável e menos hipócrita.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Turbilhão

Os minutos passavam. Discurso na mão, uma voz ao longe pronunciava meu nome.
Era minha vez.
Aqueles passos que dei até o microfone foram os mais longos. Não sabia se era por causa da aversão ao público ou era o momento que exigia que eu não chorasse. 
"Tudo bem, não vou chorar, nem está tocando 'Wake me up when september ends'". Decidi que não olharia para ninguém que conhecia naquele lugar.
No começo, a voz parecia sumir e tudo parecia girar. As palavras começaram a sair como um tropeço, mas olhei ao fundo e percebi a linda luz do sol e tudo pareceu ter sentido. Sempre haverá um amanhã.
E sempre haverá mudanças.

domingo, 29 de maio de 2011

Despedida

Qual será o verdadeiro significado da palavra despedida?
Seria o fim de uma história?
Ou um novo começo, onde apertamos um botão "pause" e depois de algum tempo, apertar o "play" novamente?
Ao invés de dizer "adeus", poderíamos dizer "até logo!"?
É bom sentir saudade?
A distância acaba com uma amizade?
São tantas perguntas vagando em minha cabeça, e nenhuma resposta me satisfaz. A dor da partida se transforma em uma doce saudade, que vem acompanhada do sentimento de que as coisas vão ser melhores, onde quer que  pessoa querida esteja...
O "adeus" é uma palavra que nos lembra algo eterno, e a única coisa que se conserva eterna é o amor, o carinho, a amizade... coisas boas e irrefutáveis...
E quanto ao resto... é apenas o resto.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Recomeço

Estava tudo certo. As malas, prontas para a partida. Só precisava fechar a porta. Era a tarefa mais difícil, pois aquela casa fora cenário da mais bela história de amor, que acabara assim, tão de repente. As lembranças voltavam de uma forma violenta, em um turbilhão de beijos, momentos, risos e jantares, passeios, fotos. Tudo era parte daquele doce e apimentado amor...
Agora, a casa estava vazia... O táxi já buzinava lá fora, no portão.
"Ok", pensou. "É hora de ir agora..."
Mas as pernas não deixavam... a tristeza dominava aquele rápido sentimento de força que apossara de seu corpo frágil e febril. As lágrimas teimavam em fazer seu solitário percurso sobre seu rosto delicado.
Não, ela tinha que partir. Enxugou o rosto, foi até o portão e pediu a ajuda do taxista que, muito gentil, carregou suas malas até o carro. Então, dando um último olhar, fechou a porta, colocou as chaves debaixo do vaso de margaridas como de costume e saiu... e dessa vez era para sempre.
O percurso e o mundo a sua volta sumiam, dando lugar novamente as lembranças felizes de um tempo perdido no passado. Iniciar uma nova vida agora era tão distante e impossível... imaginar uma outra pessoa ocupando seu lugar, na sua casa era uma ofensa, uma traição. De repente, o ruído ensurdecedor da cidade voltava aos seus ouvidos...
"Que barulho era aquele, meu Deus! Como vou suportar essa bagunça de novo?"
Finalmente, o táxi chegou ao seu destino final. O prédio era bem conhecido e familiar. Parecia ter voltado três anos antes, quando morava ali com as colegas de universidade. A única diferença era que naquele dia, ela iria ser apenas ela, morando sozinha, desfazendo suas malas e tentando esquecer a dor.

sábado, 14 de maio de 2011

ÂNSIA

As palavras fogem de minha boca, quando deveriam me ajudar a expressar o quanto sinto por você... É difícil expressar o quanto te quero perto de mim, de ouvir sua voz e sentir o seu perfume...
Por isso, escrevo... escrevo para declarar minha ânsia de viver ao seu lado, de ser feliz...
...Esperando você ler isso um dia...
Ou morrer no esquecimento.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Vício

Passei por você naquele dia
E senti seu perfume envolvente
Sua presença marcante...
Virei-me enfeitiçada
E ruborizei ao sentir seus lindos olhos
Pousados em mim
Olhar rápido, quente, sensual...
Por que fico fora de controle perto de ti?
Meus dias se resumem a pensar...
Nos possíveis encontros,
Abraços, beijos e ensejos...
Você é meu mais belo vício
O sonho mais perfeito
Ah! Como é revigorante
Acordar todos os dias
E saber que a possibilidade de te ver existe,
Que poderei sonhar com o simples toque,
E te ver de longe
Ou ser ousada o bastante para passar por perto e...
Sentir seu perfume envolvente
Sua presença marcante...

terça-feira, 3 de maio de 2011

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Corações Partidos

Todos nós sonhamos
em ser feliz...
Mas... como???
Você não está aqui...

Não dá para viver
Já não consigo Comer
Eu queria sonhar
Não queria pensar

Porque te amar
É um tormento,
o meu longo sofrimento...

Hoje em mim sobrou
Esse louco amor
Que devastou meu coração
E deixou traços de desilusão.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Meedo! kk'

Naquela noite quente
Ouço o motor roncar
E, pela porta entrar,
O monstro da morte a atacar.

Ele tem passos mansos, 
Parece flutuar.
A foice preparada
Para me matar.

Saio correndo
O terror a me dominar
De repente caio no chão
E...

TIC-TAC, TIC-TAC...
O relógio, a cama
Tudo está no lugar
Percebi que foi um sonho
E que graças à Deus
Pude acordar.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Pensando na vida...

Pequenas reflexões levam à decisões grandiosas...

Liberdade

Em uma estrada vazia
Andando sem rumo
Procurando meu destino
Sonhando com um futuro incerto
E esquecendo o tempo perdido.

Olho para o horizonte
A estrada parece não ter fim
Olho os campos floridos
A brisa quente de verão
Acalenta meu coração

Vejo o pôr-do-sol
Deixando a terra alaranjada
Posso perceber então
Que já chegou o fim da caminhada...

Já escureceu
Estou deitada sob o céu estrelado
Sinto-me irradiada de felicidade
Pela liberdade por mim conquistada.


segunda-feira, 25 de abril de 2011

Sonhos...

Na escuridão da noite
O vento frio e cortante de inverno
Arranca folhas das árvores
E estou aqui
Solitária, perdida...

Meus sonhos foram levados
Por esse mesmo vento
Que anunciou as tempestades
E o vazio...
Ah, o vazio, esse que levou minha alegria
Fotografias queimadas
Papéis rasgados
E o que sobrou foi a lembrança, o passado.

E hoje, nessa noite fria
Pensei em como e de que jeito
Vou recomeçar
Seguir meu caminho
Novamente amar